Domingo, 14 de Novembro de 2010
Os homens também fingem orgasmo

Se você achava que fingir orgasmo era uma exclusividade feminina, agora você pode tirar esse item da lista. Segundo uma nova pesquisa, os homens podem fingir o orgasmo também.

O estudo foi realizado por psicólogos da Universidade de Kansas, e pediu a 180 homens e 101 mulheres em idade universitária que respondessem perguntas sobre sua vida sexual. Cada participante teve de dizer se já fingiu ter um orgasmo. Para não deixar de fora aqueles que poderiam ter vergonha de admitir o fato, os participantes também responderam se haviam feito “algo semelhante” a fingir o orgasmo.

Os resultados mostraram que 25% dos homens e metade das mulheres já haviam fingido um orgasmo durante a atividade sexual. A maior motivação para fingir? Querer que o sexo acabasse sem ferir os sentimentos do seu parceiro.

Que a mulher fingia, não era novidade. Estudos anteriores já haviam mostrado consistentemente que entre metade e dois terços das mulheres fingem orgasmo em algum ponto da vida. Mas como é mais difícil para os homens falsificar uma ejaculação do que é para as mulheres fingir alguns gemidos, poucos pesquisadores se interessaram em estudar o lado masculino.

De todos os participantes do estudo, quase 100% tinham experimentado algum tipo de estimulação sexual com parceiros, seja manual ou oral. Pouco menos de 70% das mulheres e 85% dos homens já tinham feito sexo (interação pênis-vaginal).

A relação sexual acabou por ser um importante fator preditor para saber se alguém tinha fingido o orgasmo. Cerca de 10% dos homens e 19% das mulheres que haviam interagido sexualmente, mas não tinha feito sexo pênis-vaginal fingiram orgasmo, em comparação com 28% dos homens e 67% das mulheres que tinham tido relações sexuais pênis-vaginais.

As pessoas que fingiram tenderam a ser mais experientes sexualmente, e eram mais propensas a ter orgasmo em algum momento, seja através da masturbação ou sexo. O sexo pênis-vaginal também foi o tipo mais provável de sexo para provocar a qualidade do orgasmo. Daqueles que especificaram o tipo de sexo durante o qual fingiram um orgasmo, 86% dos homens e 82% das mulheres relataram o sexo pênis-vaginal.

A razão pode ser que as pessoas esperam o orgasmo durante o sexo. Vários homens no estudo relataram fingir um orgasmo porque não tinham outra forma de terminar uma relação sexual sem constrangimento. Terminar sem um orgasmo parecia ruim.

Para os homens, o motivo mais comum para fingir é que o orgasmo era improvável ou demoraria muito, e eles queriam que o sexo acabasse. Já as mulheres relataram que fingiam para evitar consequências negativas, como ferir os sentimentos do seu parceiro. Metade dos homens relatou a mesma motivação.

Segundo os pesquisadores, um dos grandes motivos para os participantes fingirem o orgasmo é a pressão. Ter um orgasmo durante a relação sexual, com a mulher tendo primeiro, é como um “script” a ser seguido por quem faz sexo.

Em alguns casos, as pessoas são tão apegadas a esse “script”, do que têm que acontecer durante o sexo, que deixam passar a oportunidade de ter um orgasmo de verdade a fim de fingir o orgasmo no “momento certo”. Por exemplo, 20% das mulheres fingiram orgasmo porque seus parceiros pareciam estar prestes a ter um.

Algumas das mulheres relataram que realmente poderiam ter um orgasmo, mas escolheram fingir um orgasmo no momento “certo” – antes ou durante o orgasmo do homem – ao invés de ter um orgasmo real no momento “errado”.

Esses roteiros sexuais colocam uma pressão indevida sobre ambos os sexos. Os pesquisadores afirmam que quando o sexo é uma performance, e tem metas de desempenho – ereção, relação sexual, orgasmo – é problemático. Segundo eles, o sucesso sexual deve ser redefinido como “qualquer coisa que faz você se sentir bem consigo mesmo e com o seu parceiro” e como “algo que melhora o seu relacionamento”. Se esse for o objetivo do sexo, as pessoas poderão comprovar que ele será uma experiência totalmente diferente. [LiveScience]


tags: ,

publicado por adm às 18:21
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 6 de Julho de 2010
Orgasmo Feminino: Como Fazer uma Mulher Atingir o Orgasmo

A sua parceira sabe o que é um orgasmo? O que há alguns anos atrás a pergunta poderia soar como uma ofensa as mulheres, hoje em dia saiba que é uma preocupação relevante para elas. As mulheres estão cada vez mais buscando o prazer.  Você também ganhará muito com isso:

 

1- Use a boca com maestria: Sim rapaz. Não pense que a sua boca serve apenas para contar vantagens para os amigos. Na hora de dar prazer às mulheres, ela vale tanto ou mais que o seu pênis. Por isso se não sabe usá-la, aprenda imediatamente. Dê mordidinhas no pescoço, nos ombros e no bumbum. Passe sua língua em todo o corpinho dela. Isso vai arrepiá-la e vai deixá-la a um passo do prazer.

 

2- Um tapinha não dói: A frase é tão sábia que serviu de inspiração uma profunda canção brasileira. A melhor parte para dar uns tapinhas é a bunda. Sim, a paixão nacional é um ótimo lugar para se bater. Na hora do sexo, as melhores posições sexuais para se bater é no sexo de quatro e quando ela estiver por cima. O tapa irá relaxá-la e isso sim a levará ao orgasmo.

 

3- Óleos, géis e cremes: Faça a química ajudar na sua relação sexual. Os géis que esquentam ou esfriam em contato com a pele são uma ótima pedida para o prazer. Uma das melhores formas de deixar as mulheres loucas de tesão é fazendo uma massagem. Os óleos a ajudam a relaxar e a deixam preparada para o sexo. Sem contar que ajudam na penetração e aumentam não só prazer dela como o seu também.

 

4- Ponto G e clitóris: Estes pontos são aliados primordiais para o prazer feminino. Temos uma postagem que explica exatamente onde fica o Ponto G. Já o clitóris é desnecessário explicar onde é localizado. O importante é você saber que alcançá-los e tocá-los é a chave para o prazer da mulher.

 

Nem sempre é fácil tocar estas partes na hora da transa. Uma forcinha extra de alguns sex toys podem ajudar muito no processo. Existem alguns vibradores feitos especialmente para alcançar o ponto G e o clitóris. Se sua mulher topar, dá até para propor um sexo anal enquanto ela massageia estes pontos com os vibradores. O prazer é garantido. Para os dois.


tags: ,

publicado por adm às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Maio de 2010
Gel orgasmico



Play 0


Pode ser um enigma, uma adivinha ou uma descoberta. Cada mulher dita as regras que a levam ao orgasmo. Há as que fingem e as que não fingem. As que chegam facilmente ao porto do êxtase e as que « morrem na praia». Dos tempos em que se queimavam soutiens em sinais de alerta para a sexualidade feminina, ficou a certeza de que o orgasmo não tem de ser um código por decifrar.

Piay 0 é o primeiro gel orgásmico que desvenda o segredo e vai estar à venda, em Portugal, a partir de Fevereiro. Par além de estimular a frequência, ele intensifica o prazer. Tem dúvidas?! Nós não. Testámos a fórmula mágica desenvolvida pela Durex e os resultados foram... surpreendentes as histórias, na primeira pessoa, de quem embarcou nesta viagem de sedução.

O Intensificador: «Foi já durante a relação sexual que resolvi aplicar o Play 0.
Peguei num pouco de gel e com os meus dedos passei-o na entrada da vagina e no clítoris. Senti-me logo mais lubrificada. Alguns segundos depois, para além da frescura, e em conjunto com a fricção e o calor da penetração, senti um enorme prazer. 

Tive mais sensibilidade na zona do clítoris e não só, sentí a penetração de forma mais intensa. Pouco depois, enquanto o meu parceiro me penetrava, deitado por cima de mim, tive um orgasmo intenso. Mas penso que em outras ocasiões, mesmo sem o gel, já tive outros mais fortes. 

Não creio que potencie por si só o orgasmo, mas sim em conjunto com outros factores, como o ambiente, o estado de espírito, o desejo... Para quem tenha dificuldade em chegar lá pode ajudar, mas terá de ter outros factores presentes.

Se tivesse de atribuir um valor ao Play 0, de zero a 20, daria 15!»
Catarina, 26 anos.

Como actua o gel de que tanto se fala.
A ciência já provou que a frequência de orgasmos influencia directamente a satisfação sexual, sobretudo nas mulheres. Ou seja, não basta ter sexo para andar satisfeita, há que ter essencialmente bom sexo. Assente nestes dois pilares a Durex partiu para os estudos que haveriam de resultar na criação do Play 0. Trata-se dum gel estimulador do orgasmo, com uma combinação única de Ingredientes.
Estimula e ajuda a incrementar a excitação e a melhorar os orgasmos femininos.

Multisensate, L-Arginina e Coolact P são os três princípios activos que compôem este gel milagroso›. O primeiro origina sensações de contraste que vão desde calor, frescura, formigueiro intenso. O segundo é um aminoácido que actua como vasodilatador quando aplicado de forma tópica (local). Por fim, o terceiro componente é de origem natural resultante de uma mistura de óleos essenciais que desencadeiam uma sensação, de frescura em baixa concentração e não contém mentol. 

Tanto o Multisensate como o Coolact P provocam uma dilatação dos vasos sanguíneos a nível local, facilitando a rápida absorção da L'Arginina na zona genital. Por sua vez, este último composto é libertado através dos tecidos aumentando o fluxo sanguíneo a nível local, o que implica um aumento de volume dos genitais. Favorece também a lubrificação.
Fonte: © Happy Woman



publicado por adm às 00:09
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 16 de Maio de 2010
Sexo sem Duvidas nem Tabus

Tentámos esclarecer algumas das principais dúvidas, que muitas vezes não se fazem por vergonha e ensina-nos, com naturalidade, todos os ingredientes necessários para viver, em pleno, a nossa sexualidade.

Desejar incluir uma terceira pessoa nas relações sexuais de um casal significa que o interesse entre os seus membros se perdeu?

Não, a decisão de incluir uma terceira pessoa na relação sexual pode ser motivada pela necessidade de novas experiências, fazendo vir à luz um desejo reprimido ou simplesmente devido ao desejo de alcançar níveis de prazer desconhecidos. Esta decisão deveria obedecer a um desejo compartilhado pelos membros do casal. 

A rotina nas relações pode produzir alguma disfunção sexual?
o aborrecimento ou a reiteração de comportamentos sexuais podem precipitar o casal para uma ausência mútua de desejo sexual. Na mulher este manifesta-se como uma apatia antes das relações, enquanto que no homem esta se denomina desejo sexual inibido. 

Uma mulher que mantenha uma boa relação sexual com o seu marido e se imagine a fazer amor com uma mulher é lésbica?
Não necessariamente. As fantasias sexuais são tão atrevidas quanto a imaginação e por vezes a busca do prazer inconsciente não determina nem questiona uma conduta sexual permanente. 

O uso frequente de vibradores, pode causar algum problema nas relações sexuais?
Se o vibrador se emprega como complemento durante as relações, isso não supõe problema algum. Se no entanto for utilizado para se masturbar e substituir a relação sexual, o acostumar-se ao seu formato, textura e intensidade pode implicar alguma dificuldade em posteriormente se conseguir alcançar os níveis de prazer desejados durante um coito real. 

É muito difícil alcançar orgasmos simultâneos durante o coito?
Para um casal que faz amor, conseguir alcançar o goro simultâneo é um objectivo ideal muito difícil de alcançar. E tão pouco é absolutamente frustrante caso não se consiga. E necessário que o casal cultive uma harmonia natural e conheça as preferências sexuais do outro e os ritmos de excitação. Geralmente é o homem quem se contém até que a mulher alcance o orgasmo Ele liberta-se então e acelera a explosão da ejaculação. A coincidência é indubitavelmente possível, mas não é determinante para que a relação sexual seja satisfatória. Pelo contrário, é importante que este método seja utilizado para que os amantes consigam alcançar o clímax, ainda que não simultaneamente. 

Um pénis de grandes dimensões implica necessariamente um coito doloroso?

Os músculos da vagina possuem uma grande elasticidade. É bom recordar que, em princípio, esse órgão deve permitir a passagem da cabeça de um bebé, de modo que, por maior que seja o pénis, a vagina pode acolhê-lo. Sem dúvida, é preciso que a vulva esteja muito bem lubrificada e que a penetração se realize pausadamente, para dar tempo à adaptação dos músculos. Nestas condições, o coito não costuma ser doloroso mesmo quando forçado. Mesmo assim, convém recordar, existem «medidas» genitais que, quando coincidem, tornam a penetração mais agradável. 

A mastrubação frequente traz algum prejuízo à saúde?
De todo. Não existe nenhuma comprovação científica que relacione alguma disfunção sexual ou algum problema físico com a masturbação. Pelo contrário, a libertação da tensão sexual ajuda a manter a harmonia corpo-mente. Além disso, a masturbação permite o melhor conhecimento do próprio corpo e o uso de um reportório de fantasias que será favorável em futuras relações com outras pessoas. 

A sexualidade de lésbicas e homossexuais é diferente da conduta tipo dos hetero sexuais?
As relações entre lésbicas desenvolvem-se geralmente com menos pressa e mais calma que a dos heterossexuais e são mais ricas em variedades de jogos. A estimulação manual e oral é completa; todo o corpo se torna uma zona erógena, antes de passar à excitação directa bucogenital, à masturbação ou ao esfregar das vulvas. 
Os homossexuais identificam-se com este mesmo princípio. Quando os pares são estáveis a actividade sexual é inicialmente mais ponderada e calma no início e durante a fase de excitação seguinte, antes do orgasmo. Ainda que estas considerações estatísticas percam eficácia perante a variedade de relações possíveis e as características particulares de cada indivíduo.



publicado por adm às 23:07
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Maio de 2010
Anorgasmia Feminina - Disfunção do orgasmo feminino

A Anorgasmia é definida como a falta de prazer orgásmico após um período de excitação normal (com aumento de lubrificação e volume da vulva). Pode ser primária, quando a mulher jamais experimentou um orgasmo, ou secundária, quando essa deixou de obter o gozo sexual nos envolvimentos amorosos, antes satisfatórios. É um quadro relativamente comum, atingindo uma freqüência de aproximadamente 30% dos brasileiros, em média 7,5 % das mulheres em nosso estado.

O que causa?

A expressão "falta de orgasmo feminino" é uma mescla de frustração, baixa auto-estima e conformidade. Muitas mulheres vivem sem sequer tentar algum prazer sexual, presas por laços culturais e religiosos ortodoxos, aliados à falta de orientação e educação sexual. "Sexo é para os homens!". Assim, sonegam seus desejos, evitando a ansiedade de enfrentar uma série de preconceitos impostos por uma educação repressora e sexista. A hostilidade ao parceiro, o medo da perda de autocontrole, a falta de desejo generalizada, a dor no coito e a inabilidade do parceiro na atividade sexual são outras causas comuns deste transtorno sexual.

Após o movimento da Revolução Sexual da década de 60, houve maior propagação de orientação e educação sexual. No entanto, foi somente na última década do século passado que a ciência pode desvendar a anatomia dos genitais femininos. Descobriu-se que o clitóris, considerado um pequeno órgão de sensibilidade sexual da vulva era apenas a pontinha de um iceberg de um órgão muito maior, mais complexo e especializado na arte do prazer sexual.

Também novos conceitos evolutivos trouxeram à tona dados que alteram a visão de alguns comportamentos considerados anormais. A promiscuidade feminina no reino animal, por exemplo, pode ser vista como vantajosa para a evolução da espécie. Os espermatozóides de diferentes machos competiriam entre si dentro da fêmea para fecundar o óvulo e perpetuar sua linhagem. Os genes mais "fortes" do espermatozóide vencedor garantiriam uma prole mais competitiva e saudável.

Mas tudo isso é muito novo ainda. As mulheres deste novo milênio, conforme a sua cultura e o possível acesso aos meios de comunicação e informação, variam nos seus conceitos de identidade feminina. A repressão sexual ainda é significativa e vigora até mesmo nos centros considerados de maior intelectualidade do país.

A Técnica do Prazer


A repressão sexual impede a liberação da fantasia erótica, um fator importantíssimo para o orgasmo feminino. Se uma mulher não se permite fantasiar e se conhecer, descobrir as partes de seu corpo que mais respondem aos estímulos, não aprenderá a arte do prazer sexual. Diferentemente do homem, que possui o genital exposto (o pênis), a mulher tem que descobrir o clitóris e a vagina, órgãos essenciais para o orgasmo.

A técnica preconiza que a mulher busque inicialmente um autoconhecimento de seu corpo e de suas partes mais sensíveis ao toque e depois à masturbação solitária (sem parceiro). Pode fazer uso de espelhos para ver seus genitais e de estímulos eróticos como livros, revistas, ou mesmo filmes sexuais, incitando as suas fantasias. Posteriormente pode buscar a masturbação em frente ao parceiro e só depois, junto com este, solicitando a sua participação ativa em toques ou em fantasias compartilhadas.

O orgasmo no coito é uma segunda fase a ser atingida e depende da harmonia e confiança do casal. O objetivo é que a mulher possa se soltar e controlar adequadamente o ritmo do estímulo clitoridiano feito pelo parceiro. Existem técnicas mais especializadas como a contração rítmica da plataforma orgásmica (músculos da vulva) que também ajudam a atingir o sucesso da relação sexual.

Por fim, aconselha-se que se faça a introdução peniana concomitantemente à manipulação do clitóris, até que apenas o movimento do pênis roçando a entrada da vagina e o complexo clitoridiano possa substituir a função manual. A concentração da mulher é de vital importância, aliada a fantasias que não devem sofrer distrações. Caso aconteça, o estímulo deve ser renovado com um ritmo mais suave até poder se chegar ao pico novamente.

A prática leva ao sucesso orgásmico, mas é inútil sem a concentração na fantasia erótica e o auto-abandono ao prazer.



publicado por adm às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 2 de Maio de 2010
Toda a mulher finge orgasmo?



É comum você ouvir alguma mulher, seja na televisão, cinema ou vida real, que diga que já fingiu o orgasmo pelo menos uma vez durante alguma relação sexual.

Será que toda mulher é assim? E por que fingir o ápice do prazer em uma relação?

“É necessário compreender o porquê da necessidade desta mulher simular um orgasmo. Entender como está a comunicação e a qualidade da relação afetiva e sexual dessa mulher, que reflete na pouca confiança em relatar ao parceiro de que não tem orgasmo”, explica a psicóloga associada ao Instituto Paulista de Sexualidade, Giovanna Lucchesi.

É difícil saber se a mulher finge o orgasmo para agradar o parceiro ou terminar logo a relação sexual. De acordo com a psicóloga, as duas coisas podem acontecer. “Ouvimos histórias de mulheres que simulam orgasmos para que a relação sexual termine mais rápido, pois para ela a relação não está adequada. A simulação também ocorre pelo medo de perder o parceiro”, diz Giovanna.

O homem não costuma perceber quando a mulher teve realmente um orgasmo ou está apenas fingindo. Ao contrário do masculino, que é correlacionado à ejaculação, o orgasmo feminino se manifesta por contrações sutis na vagina, o que dificulta sua percepção. Sendo assim, é preciso uma conversa franca entre o casal para que a mulher possa chegar ao ápice. Afinal, a maior prejudicada no fingimento, é ela. “A simulação do orgasmo em si não acarreta nenhum mal para a saúde da mulher, porém os motivos dessa simulação e a omissão de busca por uma qualidade sexual é algo que deve ser observado com atenção”, opina a psicóloga.

Para chegar definitivamente ao orgasmo, é preciso primeiro que a mulher conheça seu corpo e saiba alcançar o prazer sozinha. Além disso, é preciso uma conversa franca e de qualidade com o parceiro. “A sexualidade deve ser discutida sem tabus e essa mulher deve se sentir confortável em demonstrar como gosta de ser tocada”, diz Giovanna.

Mas é preciso também deixar um mito de lado. Não é porque o orgasmo não foi alcançado que não existiu prazer na relação. “Existe um discurso social que prega que sexo só é efetivo quando há o orgasmo. Esse mito limita a compreensão da sexualidade, afinal, pode se fazer sexo prazeroso e não chegar ao orgasmo em todas as ocasiões, sem que essa mulher tenha a sensação de ser inadequada sexualmente”, garante Giovanna.



publicado por adm às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 30 de Abril de 2010
Orgasmos múltiplos

Os orgasmos infinitos femininos, ou orgasmos múltiplos progressivos são uma série de orgasmos que a mulher vai tendo, cada vez mais fortes, até que, em torno do décimo orgasmo, a mulher cai em sono profundo. A intensidade, quantidade e velocidade dos orgasmos varia de mulher para mulher.



Procedimentos Iniciais:

Para uma mulher atingir o orgasmo múltiplo é preciso, que antes de tudo ela esteja excitada e atraída pela situação. Como em uma média as mulheres tem dificuldade de se entregar e confiar em um parceiro novo, esta técnica tende a apresentar maiores resultados em pessoas que já se relacionam a algum tempo e já adquiriram um nível de confiança mútua maior. Fique sempre atento para as expressões faciais, sons, movimentos ou qualquer outra coisa que a mulher possa lhe passar como informação. O seu sucesso depende diretamente da sua capacidade de saber se a mulher está fria ou quente na relação

Uma excelente forma de aumento de rendimento é ter a relação dentro do ambiente de fantasia da parceira, o que aumenta o seu nível de excitação.

Exemplos de fantasias mais comuns:

Carros, praias desertas, lugares com pessoas passando, elevadores, situações de perigo em geral, sado-mazoquismo (consentido), roupas e uniformes civis e militares, mesa da cozinha, pia do banheiro, laje, terraço e etc.

Exemplos de fantasias menos comuns:

Toilet sex, Rape sex, animais, profissões (fotógrafo, ginecologista, padre, professor, etc).

Via de regra as mulheres; diferentemente do homem, que se excitam mais visualmente; tendem a ficar mais atraídas por impulsos físicos, como o beijo, o abraço e carinhos em geral. Tenha isso em mente para um bom rendimento.

Outra forma de captar a concentração feminina de uma maneira bem eficiente é sussurrando e/ou gemendo em seu ouvido. O que vai ser sussurrado muda muito de mulher para mulher, algumas sugestões são: palavras de amor, pornografia leve, pornografia pesada, ofensas leves, ofensas pesadas, etc. É necessário saber exatamente em que tipo a mulher se encaixa, pois, o uso errado destas causa efeito contrário.



publicado por adm às 00:37
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 19 de Abril de 2010
As melhores técnicas para atingir o orgasmo sempre!

Qual é um dos maiores sonhos das mulheres? Atingir o orgasmo, o momento máximo de prazer, sozinhas ou com os respectivos gatos! Mas, infelizmente, nem todas conseguem "chegar lá" com facilidade... Por isso, preparamos um manual com todas as dicas para você gozar bem gostoso: há desde truques para você se entregar à masturbação até as posições mais incríveis para você e o parceiro aproveitarem muito!


O que acontece com seu corpo

1. Desejo
No início da excitação, o tesão é pequeno. "Há só uma predisposição para se fazer sexo", diz Maria Helena Vilela, do Instituto Kaplan. O corpo não sofre mudanças físicas, mas psicológicas e emocionais. Se rolar preguiça ou alguma dificuldade, pode-se não ir para a próxima fase.

2. Excitação
Se o estímulo for caprichado, é a hora em que o tesão chega e o corpo libera sinais da estimulação sexual. "Acontece a lubrificação, o canal vaginal se alonga, há ereção dos mamilos, a pressão arterial e a frequência cardíaca aumentam", diz o terapeuta sexual Celso Marzano. Então, o organismo fica pronto para a penetração e para o clímax.

3. Orgasmo
É o momento máximo do prazer! "No orgasmo começa a liberação de tensões musculares em todo corpo", explica Celso. A musculatura da vagina, do útero e do períneo sofrem contrações.

4. Resolução
Finalmente, os músculos relaxam e o organismo se prepara para voltar à fase inicial. "Nas mulheres, tal descanso é discreto e não afeta diretamente a condição sexual", diz Maria Helena Vilela. Ou seja, você pode continuar excitada e ter mais orgasmos!

Não rolou!
Se o seu orgasmo é raro ou nunca aconteceu, investigue, mas sem estressar, pois isso é comum. "A porcentagem de mulheres que não têm orgasmo é alta", garante a personal sex trainer Fátima Moura. Veja o que fazer:

● Se desconfia que tem alguma doença que possa tirar seu prazer, vá ao ginecologista. Esclerose múltipla, lesões neurológicas ou o uso de antidepressivo podem ser as causas do problema.

● O emocional também conta. Não gostar do próprio corpo e não se conhecer também limita seu prazer. Procure um terapeuta sexual.


Três dicas para você ir sempre às alturas

Especialistas explicam os pontos de maior tesão no corpo e o que se deve fazer (e pensar) para garantir um orgasmo incrível:

Explore-se
Algumas partes do corpo dão mais prazer. Se bem estimuladas, levarão você às nuvens. São elas: o ponto G (veja mais no slide seguinte), o clitóris, os seios, o umbigo e a nuca.

Fique concentrada
Durante o ato, entregue-se por inteiro. Preste atenção nas sensações, nos sussurros, nos beijos e na penetração. Não se preocupe com o que virá depois nem se obrigue a gozar.

Em ponto de bala!
Gozar com a penetração é menos comum porque a vagina é menos sensível que o clitóris. Por isso, você precisar estimular essa região para ficar muito excitada.


Como chegar ao orgasmo sozinha

Mãos à obra!
Boa parte das mulheres tem preconceito em se masturbar, mesmo sendo esse o caminho para um orgasmo garantido. "A masturbação ajuda a mulher a perder a vergonha do corpo e a conhecer as sensações que pode ter", explica Fátima Moura.

Quer uma dica para gozar gostoso sozinha? Tranque a porta, desligue o celular, acenda velas perfumadas e comece a fantasiar com um gato que a deixa com bastante tesão! Sem pressa, passe um ou mais dedos por dentro dos grandes lábios e pelo clitóris, como se fizesse o contorno do número oito. Você também pode investir em um vibrador (à venda em sex shops), repetindo, a técnica do oito, passando o brinquedinho pelo clitóris. Aí, é só esperar pelo clímax!

Encontre o ponto G
Ele fica a 2,5 cm da entrada da vagina, na parte superior. "Quando estiver tomando banho, fique bem relaxada e introduza um dedo na vagina, à procura de um ponto que desperte uma sensação boa", orienta Fátima. Quanto mais excitada você estiver, mais facilmente irá achá-lo.


Como chegar ao orgasmo com o parceiro

Farra no chuveiro
Que tal chamar o gato para explorar seu corpo? No banho, peça que ele descubra sozinho o que deixa você excitada! "Massagens e toques fora do ato sexual são fundamentais para o conhecimento dos parceiros", explica Celso. E quem sabe o clima não esquenta mais, né?!

Ah, as posições...
Nem sempre você precisa fazer um malabarismo na cama para que a transa valha a pena. Posições confortáveis com certeza trarão o desejado orgasmo. Escolha qual delas quer colocar em prática hoje!

1. Bem relaxada
Você fica com as costas apoiadas na cama. O gato deve deitar-se ao seu lado, mas de frente para você. Dobre as pernas por cima dele, na altura do quadril e encaixe. Esta posição é ótima para quem precisa de tempo para gozar, pois o sexo pode durar mais sem cansar. Além disso, você e o gato têm as mãos livres para estimular seu clitóris.

2. Sentada de costas
Com o gato deitado de costas na cama, sente-se por cima dele, mas de costas para o rosto dele. Deixe as pernas juntas e os pés apoiados entre as pernas dele. Feche bem as pernas, pois o encaixe entre você fica mais apertado e as sensações são mais intensas. Use a mão para estimular o clitóris.

3. Você controla
O gato senta no chão com as pernas estendidas. Você senta-se sobre ele, de frente para o gato, com joelhos apoiados no chão. Use os braços e as pernas para se movimentar. A vantagem desta posição é que você escolhe a velocidade e o ângulo da penetração. Para turbinar as sensações experimente mover-se não só para cima e para baixo, mas também para frente e para trás. Acertar em cheio o ponto G inclinando o corpo para trás.

4. De conchinha
Deite-se de lado e deixe o gato agarrá-la por trás. Em vez de mover o pênis para dentro e para fora, ele deve manter a penetração, empurrando levemente a parede frontal da vagina. Assim, o ponto G é estimulado. No final, vocês nem precisam mudar de posição. É só relaxar!

5. Ele por cima
Deite-se de barriga para baixo e levante um pouco o bumbum para que o gato consiga penetrá-la. Ele deve deitar por cima de você e erguer o corpo com as mãos para facilitar os movimentos. Você sentirá mais o vai e vem.


Faz bem à saúde

Alcançar o clímax traz muitos benefícios para o organismo - além do prazer, é claro!

Alivia dores
O gozo provoca a liberação de endorfina - um anestésico natural que reduz dores de cabeça, por exemplo - e do hormônio feminino estrogênio, que ameniza sintomas da TPM.

É a fonte da juventude
Especialistas garantem que o clímax faz a vida durar mais. Mulheres que aproveitam melhor a relação sexual vivem mais tempo do que as que não sentem tanto prazer na cama.

Cuida da mente
Há evidências de que os orgasmos frequentes deixam o cérebro saudável. A explicação: o cérebro da mulher utiliza mais oxigênio durante um ato sexual do que usaria normalmente.

Por Belisa Rotondi
Conteúdo do site VIVA! MAIS



publicado por adm às 23:15
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 2 de Abril de 2010
Hiperorgasmo quais os segredos?

Os segredos do hiperorgasmo: o principal é nada de pressas


Um êxtase de prazer infindável e muito mais intenso que um orgasmo comum. Isto é o hiperorgasmo, um estado quase sobrenatural de nossa sexualidade que se pode alcançar através do sexo tântrico.

Sem pressa

O hiperorgasmo não é um espasmo de alguns poucos segundos, mas um estado de êxtase iluminado. Mas é possível a qualquer pessoa alcançá-lo?


Não é preciso ser nenhum atleta sexual para atingir o hiperorgasmo.

Mas algumas condições básicas são necessárias. Sensibilidade, sutileza, desinibição, concentração, capacidade de se esquecer do tempo e das obrigações são indispensáveis. Além disso, é preciso renunciar à pressa, às comidas gordurosas, às bebidas alcoólicas, ao fumo e, em especial, não focalizar no orgasmo como único foco importante do sexo.



publicado por adm às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

Existe formula magica para o orgasmo ?

Será que algum medicamento pode ajudar a mulher a sentir mais prazer e a atingir o orgasmo? Será que alguma pílula poderia fazer o que Viagra, Uprima e outros medicamentos têm feito pelas dificuldades sexuais masculinas? A resposta é não. Ainda não.

Não adianta a gente querer encontrar uma fórmula milagrosa para proporcionar mais desejo, mais excitação e o tão almejado orgasmo. O segredo está na nossa cabeça. Isso mesmo. As causas da dificuldade da mulher em atingir o clímax são psicológicas – e não físicas. É por isso que ainda não se descobriu uma pílula do orgasmo. As drogas sexuais tratam dos problemas da parte orgânica, não da emocional.

O que fazer, então, para chegar lá? A gente precisa aprender, antes de tudo, a não se cobrar tanto. Pensamentos e preocupações como "tenho de conseguir" ou "o que há de errado comigo?" só atrapalham, ainda mais quando invadem nossa cabeça bem na hora H. Ou seja, é preciso deixar as encucações de lado.

Um próximo passo é tentar ficar o mais à vontade possível com o próprio corpo: conhecer os pontos de prazer e não sentir vergonha ou inibição de se tocar. É preciso também ter coragem de mostrar ao parceiro do que você mais gosta – ou não – na hora do sexo. Tudo isso é importante para que o prazer seja cada vez maior.

Outro caminho importante é investigar se há algum trauma atrapalhando a obtenção do seu prazer, como lembranças muito negativas de alguma experiência sexual. Nesse caso, o melhor é recorrer à ajuda de um terapeuta sexual. Há instituições que fazem atendimento de graça. Você pode se informar sobre elas na Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana (Sbrash), pelo tel. (011) 3263-0859.

Orgasmo é uma questão de aprendizado e de treino – não de medicamentos. A ciência evolui rapidamente, claro, e hoje já se pesquisa na Europa alguma droga capaz de interferir no prazer feminino. Mas são estudos iniciais e podem levar muito tempo para serem concluídos. O melhor a fazer? Vencer o tabu da masturbação, acabar com as cobranças internas, dividir com o parceiro os seus desejos e as suas expectativas e, se necessário, buscar a ajuda de um especialista. Você verá que, mesmo sem pílula do orgasmo, é possível ser muito feliz no sexo!


tags:

publicado por adm às 00:51
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar
 
.posts recentes

. Os homens também fingem o...

. Orgasmo Feminino: Como Fa...

. Gel orgasmico

. Sexo sem Duvidas nem Tabu...

. Anorgasmia Feminina - Dis...

. Toda a mulher finge orgas...

. Orgasmos múltiplos

. As melhores técnicas para...

. Hiperorgasmo quais os seg...

. Existe formula magica pa...

.Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


.arquivos

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

.tags

. todas as tags

.links
.subscrever feeds